Vacinação Obrigatória: O Maior Mal da Sociedade
01 September 2021

por Abir Ballan, MPH

A COVID-19 apresenta alto risco de doenças graves e morte para poucos e um risco insignificante para a maioria da população. A idade mediana de óbito pela COVID-19 é semelhante à da mortalidade natural na maioria dos países. 95% dos óbitos ocorrem em indivíduos com 1 ou mais problemas de saúde existentes. 99,95% dos indivíduos com menos de 70 anos sobrevivem. A sobrevivência é ainda maior para indivíduos saudáveis. Crianças e jovens têm quase risco zero de morte por COVID-19.

A realidade epidemiológica da COVID-19 é abordada pela vacinação focada: oferecer uma vacina segura e eficaz para indivíduos de alto risco (a maioria pessoas acima de 50 anos, com outros problemas de saúde), quando o benefício da intervenção supera claramente o risco. Essa estratégia alcança o melhor resultado para todos.

A vacinação obrigatória não tem lugar em uma sociedade livre. A política de saúde pública nunca deve ser coercitiva e deve ser sempre participativa. As decisões devem ser tomadas por aqueles que estão na frente de ação e não por burocratas ou uma elite em conflito, que nunca terá que conviver com as consequências de suas ações. O papel das agências de saúde pública é fornecer ao público informações precisas e respeitar indivíduos e comunidades para tomar suas próprias decisões.

Sete princípios éticos da saúde pública devem estar no centro de qualquer intervenção em saúde pública: não maleficência, beneficência, respeito à autonomia, maximização da saúde, eficiência, justiça e proporcionalidade. Os direitos humanos, os fatos científicos e o bom senso também devem ser aplicados.

Dez razões pelas quais a vacinação COVID-19 nunca deve ser obrigatória:

  1. Não maleficência – o dever hipocrático de “primeiro, não faça mal”. Há evidências crescentes de eventos adversos graves, particularmente miocardite nos jovens, após a vacinação COVID-19. Os sistemas de relatórios de eventos adversos atuam como um sistema de sinalização para que medidas imediatas possam ser tomadas para evitar maiores danos. Há sinais fortes o suficiente para justificar uma investigação. As vacinas também são contraindicadas para indivíduos com determinadas condições de saúde. A vacinação de gestantes/lactante deve ser abordada com muito cuidado – as gestantes foram excluídas dos ensaios vacinais; O risco COVID é baixo em mulheres saudáveis em idade fértil, enquanto os riscos vacinais para o feto/bebê ainda não podem ser determinados).
  2. Beneficência – o dever de produzir benefício para o indivíduo. As intervenções em saúde devem ser baseadas nas necessidades individuais. A vacinação só é indicada quando a intervenção representa claramente um benefício maior do que o risco para o indivíduo. Esse critério não é atendido para crianças e jovens, indivíduos abaixo de 60 anos, sem problemas de saúde existentes, e indivíduos com infecção anterior pelo SARS-CoV-2 (incluindo infecção assintomática).
  3. Respeito à autonomia – permitindo que os indivíduos busquem seu bem-estar na forma como entendem. “Toda pessoa tem um alto valor e não pode ser tratada apenas como um meio para o bem dos outros”. Isso implica buscar o consentimento informado do indivíduo antes de qualquer intervenção médica: informá-lo dos riscos e benefícios da intervenção e obter seu consentimento voluntário sem “qualquer elemento de força, fraude, engano, coação, superação ou outra forma ulterior de restrição ou coerção”. Atualmente, os indivíduos não podem fornecer informações completas sobre efeitos colaterais da vacina, pois ainda não existem dados de longo prazo. Os resultados dos testes de vacinas devem ser replicados por cientistas independentes, antes da distribuição da vacina para o grupo de alto risco. É necessária transparência pública de todos os dados de eficácia e segurança.
  4. Maximização da Saúde – maximizar a saúde de todos os membros do público em geral requer uma abordagem holística e de multicamadas: educar o público sobre um estilo de vida saudável para melhorar sua doença crônica, a importância da Vitamina D no combate a infecções respiratórias, a importância do tratamento precoce domiciliar, a disponibilidade de protocolos de tratamento para salvar vidas, medicamentos seguros e eficazes (como a Ivermectina), bem como vacinas para o grupo de alto risco. Vacinar indivíduos que incorrem em maior risco da vacina do que benefício aumenta o dano total.
  5. Eficiência – o dever de produzir tantos benefícios para o maior número de pessoas que recebem recursos limitados. Vacinar indivíduos que não se beneficiam da intervenção desvia recursos valiosos dos vulneráveis, bem como de questões de saúde globais muito mais devastadoras, como TUBERCULOSE, HIV, diabetes, câncer e doenças cardíacas.
  6. Justiça – todos os seres humanos têm o mesmo valor e ninguém deve ser discriminado com base em suas escolhas de saúde. Práticas injustas como negação de serviços, requisitos para emprego, restrições às viagens, maior prêmio de seguro para os não vacinados criam uma sociedade de duas camadas e quebra a solidariedade e a coesão.
  7. Proporcionalidade – o equilíbrio razoável entre benefícios e custos de uma intervenção em termos de bem-estar individual versus benefício coletivo. As vacinas são projetadas para conferir proteção aos vacinados. É antiético para uma pessoa incorrer em qualquer risco de vacina ou perder liberdades pessoais para o bem de outra pessoa.
  8. A transmissão do SARS-CoV-2 pode resultar tanto de indivíduos vacinados quanto não vacinados. O vírus também pode ser transmitido entre animais. Mesmo que todos sejam vacinados, a transmissão continuará e as variantes continuarão evoluindo. Uma estratégia DE COVID Zero é irrealista e inalcançável.
  9. A imunidade do rebanho pode ser alcançada através de uma combinação de infecção natural e vacinação. A imunidade natural ao SARS-CoV-2 é ampla e duradoura – mais do que a imunidade induzida por vacinas, especialmente no combate às variantes. A recuperação da infecção previne doenças graves se reinfectada. Não é necessário vacinar todo o planeta para o “bem maior” da sociedade.
  10. Os direitos menos perceptíveis, conforme estabelecido no artigo 58º, dos Princípios Siracusa sobre as Disposições de Limitação e Derrogação do Pacto Internacional sobre Direitos Civis e Políticos (1958) aplicam-se sob todas as circunstâncias, mesmo sob ameaça de “segurança nacional”:

“Nenhum partido estatal deve, mesmo em tempo de emergência, ameaçar a vida da nação, alterar as garantias do Pacto do direito à vida; proteção contra tortura, tratamento ou punição cruel, desumana ou degradante, e de experimentação médica ou científica sem consentimento livre; … e liberdade de pensamento, consciência e religião. Esses direitos são inalienáveis sob quaisquer condições, mesmo para o propósito declarado de preservar a vida da nação.”

Encaramos dois cenários. Ou as vacinas funcionam, dando proteção aos vacinados e eliminando a alegação de que todos precisam ser vacinados. Ou as vacinas não funcionam e, portanto, ninguém deve se vacinar. Em ambas as contagens, os passaportes vacinais são uma ferramenta inútil de “saúde pública” que prejudicará a confiança na profissão médica e nos programas de vacinação. Parecem servir a agendas econômicas, financeiras, políticas e ideológicas. Mais fundamentalmente, eles são antiéticos. Eles balançam o portão aberto para o domínio totalitário através de um sistema de crédito social digital.

Passaportes de vacinas representam o epítome do maior mal da sociedade. Esta é a polegada que não devemos ceder.

Photo by Levi Meir Clancy on Unsplash

Publisher’s note: The opinions and findings expressed in articles, reports and interviews on this website are not necessarily the opinions of PANDA, its directors or associates.

Share this

Post Tags

Our News In Your Inbox

Subscribe to our newsletter

MORE FROM OUR SITE

allesaufdentisch.tv: Angie Reed & Nick Hudson

allesaufdentisch.tv: Angie Reed & Nick Hudson

The most notable feature of the Covid epidemic is the degree to which media propaganda has departed from the facts. Unprecedented and previously contra-indicated measures were tried and failed, yet persist nonetheless. As the goalposts have been constantly shifted, increasing numbers of citizens have woken up to the harsh reality of the political agenda behind the propaganda and the extent to which their governments and captured public health institutions have lied to them. Under cover of an exaggerated emergency, a new vision for our future is being implemented, without our consent.